Sintaxe On-line

Regência verbal e nominal

Regência Nominal e Verbal

Regência é, em gramática, sinônimo de dependência, subordinação. Assim, a sintaxe de regência trata das relações de dependência que as palavras mantêm na frase. Dizemos que um termo rege o outro que o complementa.

Numa frase, os termos regentes ou subordinantes (substantivos, adjetivos, verbos) regem os termos regidos ou subordinados (substantivos, adjetivos, preposições) que lhes completam o sentido.

Termos Regentes

amar, amor

insistiu, insistência

persuadiu

obediente, obediência

cuidado, cuidadoso

ouvir

Termos Regidos

a Deus.

em falar.

o Senador a que votasse.

à lei.

com a revisão do texto.

música.

Como se vê pelos exemplos acima, os termos regentes podem ser substantivos e adjetivos (regência nominal) ou verbos (regência verbal), e podem reger outros substantivos e adjetivos ou preposições. As dúvidas mais freqüentes quanto à regência dizem respeito à necessidade de determinada palavra reger preposição, e qual deve ser essa preposição.

Considerando que, em regra, a regência dos nomes segue a dos verbos que lhes correspondem (viajar de trem: viagem de trem; anotar no caderno: anotação no caderno…) analisaremos a seguir alguns casos de regência verbal que costumam criar dificuldades na língua escrita.

1 Regência de Alguns Verbos de Uso Frequente

Abraçar:

Transitivo Direto – Apertar nos braços.

O pai abraçou o filho querido.

Transitivo Indireto – Abraçar-se   (pronominal): rege preposição A, COM, EM.

A professora abraçou-se aos livros.

Agradar:

Transitivo Indireto – Satisfazer. Rege a preposição A; admite LHE(s).

Isto não lhe agrada.

A paisagem agrada à vista.

Transitivo Direto – Fazer agrado (alguém agrada alguém, sendo o sujeito nome de pessoa).

João agradava a esposa.

Anuir: concordar, condescender: transitivo indireto com a preposição a:

Todos anuíram àquela proposta.

O Governo anuiu de boa vontade ao pedido do sindicato.

Aproveitar: aproveitar alguma coisa ou aproveitar-se de alguma coisa.

Aproveito a oportunidade para manifestar repúdio ao tratamento dado a esta matéria.

O relator aproveitou-se da oportunidade para emitir sua opinião sobre o assunto.

Aspirar:

no sentido de respirar, é transitivo direto:

Aspiramos o ar puro da montanha. Aspirá-lo.

– no sentido de desejar ardentemente, de pretender, é transitivo indireto, regendo a preposição a:

O projeto aspira à estabilidade econômica da sociedade. Aspira a ela.

Aspirar a um cargo. Aspirar a ele.

Assistir:

no sentido de auxiliar, ajudar, socorrer, é transitivo direto:

Procuraremos assistir os atingidos pela seca (assisti-los).

O direito que assiste ao autor de rever sua posição. O direito que lhe assiste…

– no sentido de estar presente, comparecer, ver é transitivo indireto, regendo a preposição a:

Não assisti à reunião ontem. Não assisti a ela.

Assisti a um documentário muito interessante. Assisti a ele.

Nesta acepção, o verbo não pode ser apassivado; assim, em linguagem culta formal, é incorreta a frase:

“A reunião foi assistida por dez pessoas”.

- no sentido de morar: intransitivo. Ex: Assisto em Uberaba.

Atender:

O Prefeito atendeu ao pedido do vereador.

O Presidente atendeu o Ministro (atendeu-o) em sua reivindicação. Ou

O Presidente atendeu ao Ministro (atendeu a ele) em sua reivindicação.

Avisar: avisar alguém (avisá-lo) de alguma coisa:

O Tribunal Eleitoral avisou os eleitores da necessidade do recadastramento.

Chegar: Não se diz, na língua culta, “chegar em”. Assim não é culto falar: “Cheguei em casa ontem..” Diz-se: “Chegamos a casa ontem.”

Comparecer: comparecer a (ou em) algum lugar ou evento:

Compareci ao(ou no) local indicado nas instruções.

A maioria dos delegados compareceu à (ou na) reunião

Compartilhar: compartilhar alguma (ou de alguma) coisa:

O povo brasileiro compartilha os (ou dos) ideais de preservação ambiental do Governo.

Consistir: consistir em alguma coisa (consistir de é anglicismo):

O plano consiste em promover uma trégua de preços por tempo indeterminado.

Custar:

no sentido usual de ter valor, valer:

A casa custou um milhão de cruzeiros.

– no sentido de ser difícil, este verbo se usa na 3a pessoa do sing., em linguagem culta formal:

Custa-me entender esse problema. (Eu) custo a entender esse problema – é linguagem oral, escrita informal, etc.

Custou-lhe aceitar a argumentação da oposição. (Como sinônimo de demorar, tardar – Ele custou a aceitar a argumentação da oposição – tb. é linguagem oral, vulgar, informal.)

Declinar: declinar de alguma coisa (no sentido de rejeitar):

Declinou das homenagens que lhe eram devidas.

Entregar: pede a preposição EM

Ex: Entregamos em domicílio.

Esquecer / Lembrar

Transitivo Direto – quando não são pronominais, ou seja, quando não estiverem acompanhados dos pronomes oblíquos. (me, te, se, etc.)

Transitivo Indireto – quando  usados como verbos pronominais.

Esqueci  tudo (TD) / Esqueci-me de tudo.(TI)

Não lembro nada.(TD) / Não me lembro de nada.(TI)

Implicar:

no sentido de acarretar, produzir como consequência, é transitivo direto – implicá-lo:O Convênio implica a aceitação dos novos preços para a mercadoria. (O Convênio implica na aceitação… – é inovação sintática bastante freqüente no Brasil. Mesmo assim, aconselha-se manter a sintaxe originária: implica isso, implica-o…)

Incumbir:

incumbir alguém (incumbi-lo) de alguma coisa:

Incumbi o Secretário de providenciar a reserva das dependências.

– ou incumbir a alguém (incumbir-lhe) alguma coisa:

O Presidente incumbiu ao Chefe do Cerimonial preparar a visita do dignitário estrangeiro.

Informar:

informar alguém (informá-lo) de alguma coisa:

Informo Vossa Senhoria de que as providências solicitadas já foram adotadas.

– informar a alguém (informar-lhe) alguma coisa:

Muito agradeceria informar à autoridade interessada o teor da nova proposta.

Namorar: Transitivo Direto  –  Cortejar

Quem você quer namorar?

Sempre namorei a Lua.

Você quer namorar o João?

Obedecer/Desobedecer: obedecer a alguém ou a alguma coisa (obedecer-lhe):

As reformas obedeceram à lógica do programa de governo.

É necessário que as autoridades constituídas obedeçam aos preceitos da Constituição.

Todos lhe obedecem.

Embora transitivos indiretos, esses verbos aceitam a voz passiva.    Ex: A lei foi obedecida por todos.

Pagar / Perdoar: Transitivos Diretos e Indiretos – pedem objeto direto da coisa que se paga ou se perdoa, e objeto indireto da pessoa a quem sem paga ou se perdoa.

Perdoemos as ofensas (coisas) aos nossos ofensores (pessoas).

Pedir:

pedir a alguém (pedir-lhe) alguma coisa:

Pediu ao assessor o relatório da reunião.

– pedir a alguém (pedir-lhe) que faça alguma coisa:

(“Pedir a alguém para fazer alguma coisa” é linguagem oral, vulgar, informal.)

Pediu aos interessados (pediu-lhes) que (e não *para que) procurassem a repartição do Ministério da Saúde.

Preferir: preferir uma coisa (preferi-la) a outra (evite: “preferir uma coisa do que outra”):

Prefiro a democracia ao totalitarismo.

Vale para a forma nominal preferível: Isto é preferível àquilo (e não preferível do que…).

OBS: Devem ser evitados os pleonasmos “preferir mais”, “preferir antes”, “preferir muito mais”, “preferir mil vezes do que”…

Propor-se: propor-se (fazer) alguma coisa ou a (fazer) alguma coisa:

O decreto propõe-se disciplinar (ou a disciplinar) o regime jurídico das importações.

Querer:

Transitivo Direto – Desejar.

Eu quero o biscoito recheado.

Transitivo Indireto – Amar, ter afeto: rege a preposição A.

Os filhos querem aos pais.

Referir: no sentido de ‘relatar’ é transitivo direto:

Referiu as informações (referiu-as) ao encarregado.

Visar:

com o sentido de ter por finalidade, a regência originária é transitiva indireta, com a preposição a. Tem-se admitido, contudo, seu emprego com o transitivo direto com essa mesma acepção:

O projeto visa ao estabelecimento de uma nova ética social (visa a ele). Ou: visa o estabelecimento (visa-o).

As providências visavam ao interesse (ou o interesse) das classes desfavorecidas.

Observação: Na língua escrita culta, os verbos que regem determinada preposição, ao serem empregados em orações introduzidas por pronome relativo, mantêm essa regência, embora a tendência da língua falada seja aboli-la.

Ex.:

Esses são os recursos de que o Estado dispõe (e não recursos que dispõe, próprio da linguagem oral ou escrita informal).

Apresentou os pontos em que o Governo tem insistido (e não pontos que o Governo…).

Já as orações subordinadas substantivas introduzidas por conjunção integrante (que, como e se) dispensam o emprego da preposição:

O Governo insiste que a negociação é imprescindível.

Não há dúvida que o esforço é fundamental.

Lembre como revisar um texto.

EXERCÍCIOS –  Regência Verbal e Nominal

1. O funcionário …………….. ele se referiu é pessoa …………….. se pode confiar.

A)   que – da qual                                        D)  a que – quem

B)   a quem – em que                                   E)  do qual – que

C)   o qual – em quem

2. Posso informar………. senhores ………..ninguém, na reunião, ousou aludir …………….. tão delicado assunto.

A)   aos – de que – o                                D)   aos – de que – ao

B)   aos – que – à                                         E)   os – que – ao

C)   os – de que – a

3. Preveniu- …… logo ……perigos que …… ameaçavam.

A)   lhe – dos – o                                       D)   o – face os – lhe

B)   lhe – face os – o                                   E)   lhe – dos – lhe

C)   o – dos – o

4. Indique a alternativa correta:

A)   Preferia brincar do que trabalhar.

B)   Preferia mais brincar do que trabalhar.

C)   Preferia brincar à trabalhar.

D)   Preferia brincar a trabalhar.

E)   Preferia mais brincar que trabalhar.

5. A difícil situação …………….. naquele momento se encontravam era análoga …………….. crise de anos atrás.

A)   que – da                                                 B)   em que – à

C)   onde – na                                           D)   sob que – com a

E)   a que – a

6. Sendo o Carnaval uma das festas …………….. mais gosto, achei preferível ir ao baile …………….. viajar para a fazenda.

A)    de que – a                                           D)   que – do que

B)   das quais – que                                         E)   que – à

C)   de que – do que

7. No momento, só …………….. uma coisa se preocupa: terminar antes das férias os trabalhos …………….., mau grado seu, …………….. confiaram.

A)   de – a que – lhe                                    D)   com – que – lhe

B)   por – a que – o                                 E)   com – com que – lhe

C)   de – a que – o

8. No caso de você falar …………….. prometido, incorrerá …………….. reprovação de todos.

A)   pelo – na                                                    D)   ao – a

B)   como – para a                                         E)   como – na

C)   ao – da

9. Não aprovo os recursos …………….. se valeu, embora, a rigor, não …………….. normas cultas.

A)   de que – infringem

B)   com que – infrinjam às

C)   de que – infrinjam as

D)   a que – infrinjam às

E)   de que – infrinjam às

10. Está correto o emprego de ambas as expressões sublinhadas na frase:

A) Para os padrões ocidentais, de cujos valores são diferentes dos orientais, o caso de Amina surge como um escândalo ao qual ninguém se conforma.

B) A negativa à qual se safou o homem identificado por Amina foi suficiente para que ele sequer fosse indiciado no caso em que estava sendo envolvido.

C) A guerra civil, à que o texto faz referência, poderia ser iniciada caso tomasse outro rumo o julgamento no qual todas as atenções estavam voltadas.

D) A corte islâmica, em cujos critérios de julgamento há forte influência religiosa, deu ao caso uma solução na qual muitos não acreditavam.

E) A absolvição de Amina, por cuja se fizeram muitos abaixo-assinados, é um desfecho por conta da qual não devemos ficar excessivamente otimistas.

11. As leis muçulmanas são rigorosas, mas muitos julgam as leis muçulmanas especialmente draconianas com as mulheres, já que se reflete nas leis muçulmanas a hierarquia entre os sexos, hierarquia que deriva de fundamentos religiosos.

Evitam-se as repetições do período acima substituindo-se os elementos sublinhados por, respectivamente:

(A) julgam-as – se lhes reflete – a qual

(B) julgam-nas – se reflete nesta – o que

(C) julgam-nas – naquelas se reflete – a qual

(D) julgam-lhes – nas quais se reflete – a qual

(E) julgam-lhes – naquelas se reflete – à qual

12. Está correto o emprego de ambas as expressões sublinhadas na frase:

(A) A popularidade de que goza a astronomia é muito maior do que aquela em que desfruta a astronomia.

(B) O charlatanismo esotérico – uma prática à qual se deve dar incessante combate – arregimenta os indivíduos em cuja consciência há espaço para a credulidade.

(C) Muitos crêem que há um arranjo cósmico de cujo cada um participa individualmente, mantendo com os astros uma relação na qual atribui sua própria personalidade.

(D) A experimentação científica – para o qual controle existem rígidos paradigmas – não está sujeita à irracionalidade com a qual se submetem as “teorias” esotéricas.

(E) Desde tempos antigos – de lá aonde vêm as crendices mais populares – charlatões insistem em disseminar “teorias” com que a maioria da população se apega.

13. Está correto o emprego da expressão sublinhada na frase:

(A) Seus seguidores não supõem de que o pensamento dele seja tão complexo.

(B) Não pode ser absoluta a soberania política de cuja o povo deve ser o titular.

(C) Era grande a preocupação em cuja Rousseau manifestava em relação à reforma dos costumes.

(D) Rousseau não achava de que os males da humanidade poderiam ser sanados por medidas jurídicas.

(E)) Está na admissão de que o povo pode ser enganado, mas não corrompido, uma das contribuições do pensamento de Rousseau.

Deixe um comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed para os comentários a este artigo.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

The Rubric Theme. Blog em WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: